Meus fãs

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Qual o significado da jaqueta com escorpião no badalado filme Drive?





Considerado por muitos o melhor filme de 2011, Drive tem poucos diálogos e muito estilo. Com ambientação moderna, mas look retrô dos anos 80 reforçado pela fotografia de Newton Thomas Sigel, o filme também foi extremamente cuidadoso com o guarda-roupa. A jaqueta do motorista sem nome teve tantas versões que o modelo definitivo só ficou pronto horas antes de seu intérprete, Ryan Gosling, começar a filmar com ela. 




A peça de vestuário que se tornou icônica foi concebida por um brainstorm que incluiu o diretor, a figurinista e o próprio ator para a caracterização do personagem.


Ryan Gosling com o diretor


Para começo de conversa, o dinamarquês Nicolas Winding Refn, o diretor, queria que Gosling usasse no filme um casaco de cetim branco ou prateado para que fosse visível à noite. Quanto à composição psicológica, a jaqueta funcionaria como uma espécie de armadura para o dublê de cenas perigosas de dia/motorista de assaltos à noite. Ele explicou: "Quando você trabalha com grandes atores, uma das coisas mais importantes para eles na hora de construir um personagem é definir como ele se veste. Então, Ryan encontrou uma jaqueta com a qual ele se sentia confortável. Eu gostei da jaqueta, era uma jaqueta militar antiga. Não era em cetim, por isso, tivemos que refazê-la sob medida. Mas esses agasalhos antigos tinham símbolos neles, símbolos americanos, como uma águia. E eu pensei que seria legal se a do filme tivesse um símbolo de animal".




Sigel estava a fim de mostrar para a figurinista Erin Benach um filme experimental e polêmico de 1964, chamado Scorpio Rising, porque estavam discutindo sobre que tipo de roupa as pessoas usariam numa garagem e ele queria que fosse algo bem marcante, fetiche. Ryan estava lá também, e quando o filme começou, "com o famoso escorpião entrando em enquadramento", o diretor conta que os dois se entreolharam na mesma hora e concordaram: tinha que ser um escorpião. Além do mais, esse era o signo do ator, que nasceu em 12/11! Tudo se encaixava...




... e fez ainda mais sentido quando Ryan deu sua contribuição decisiva para definir a personalidade de seu personagem, proporcionando uma chave para sua enigmática persona. Ao chegarem à fase dos diálogos adicionais, o ator sugeriu ao diretor: "Por que eu não conto a fábula do escorpião e do sapo?". 




A inclusão dessa fábula – cuja moral é a de que o comportamento de algumas criaturas é irreprimível, não importa como elas são tratadas e não importa as consequências – numa das últimas cenas do filme, quando o motorista dá um telefonema ao seu principal antagonista, Bernie Rose (interpretado por Albert Brooks), foi crucial. Percebemos por ela que o desfecho não pode ser outro que não um perde-perde. O motorista (que traz literalmente um escorpião às costas) no início é o sapo, conduzindo de um lado para outro indivíduos criminosos, letais, mas cedo ou tarde acabará sucumbindo, ainda que os escorpiões também sejam aniquilados e ele próprio acabe por se tornar um escorpião no processo. 


(Alerta de spoiler)


E como um escorpião não consegue evitar a própria natureza e carrega em si a destruição a todos à sua volta, é melhor para Irene e Benicio que ele suma de suas vidas. E é por isso que o personagem, ao final do filme, parece em paz, resignado com a própria morte (sim, uma facada no estômago é mortal, o final não fica em aberto, apesar da torcida do público, e ele não consegue escapar vivo: as imagens finais com ele dirigindo – sua essência congelada pela eternidade afora – são alegóricas), pois alcança a redenção. Afinal, tudo que o motorista queria era ser, como diz ao fundo a canção da dupla canadense Electric Youth na derradeira cena, uma boa pessoa, um verdadeiro herói, um ser humano de verdade:


Be a human being (being, being, being...)
And a real hero (hero, hero, hero...)
Back against the wall and odds
With the strength of a will and a cause
Your pursuits are called outstanding
You're emotionally complex
Against the grain of dystopic claims
Not the thoughts your actions entertain
And you, have proved, to be

A real human being, and a real hero
Real human being, and a real hero
Real human being, and a real hero
Real human being, and a real hero
Real a human being (being, being, being...)

A pilot on a cold, cold morn'
One hundred fifty-five people on board
All safe and all rescued
From the slowly sinking ship
Water warmer than
His head so cool
In that tight bind knew what to do
And you, have proved, to be

A real human being, and a real hero
Real a human being, and a real hero
Real a human being, and a real hero
Real a human being, and a real hero
Real a human being (being, being, being...)
Real a human being (being, being, being...)
Real a human being




Embora, para descontrair o clima, Ryan Gosling tenha dito sobre a famosa jaqueta numa entrevista de divulgação do filme que sempre quis representar um super-herói, "mas os melhores já foram tomados". Então, ele acabou usando seu personagem em Drive como uma espécie de super-herói, fazendo da jaqueta de escorpião seu uniforme. 





Veja aqui o que já publicamos sobre Ryan Gosling neste blog.

Um comentário:

  1. Eu sou tão idiota, achava que ele tinha vivido! Tem certeza??? Que pena...

    ResponderExcluir